violência contra a mulher
R7 Meu Estilo Mulher gosta de apanhar, dizem as línguas más

Mulher gosta de apanhar, dizem as línguas más

Entre os motivos para o silêncio da vítima de violência estão vergonha, culpa, trauma, solidão, dependência econômica, desconfiança na Justiça e o medo

O que feminicídio?

O que feminicídio?

Pexels.com

Um dos aspectos da violência contra a mulher mais terríveis e difíceis de reverter é o silêncio das vítimas. Esse medo de denunciar o algoz que dorme ao lado é imemorial. Deve remeter às cavernas em que o homo sapiens traçou o itinerário que traria a humanidade aos dias de hoje: o homem exercendo sua brutalidade diante de uma companheira acuada. Não será de um dia para o outro que vamos tornar uma opressão milenar em um grito de socorro. Nessa escala evolutiva, estamos dando os primeiros passos.

A paralisia – introjetada – diante de um animal fisicamente mais forte não surtiria efeito se não fosse também um pacto entre oprimidos.  Difícil imaginar situação mais sufocante do que uma mulher ser ignorada por outra ao buscar proteção e cumplicidade – até porque o apoio do sexo oposto é uma novidade em construção, ainda não consagrada.

O pano de fundo para esse cenário de imobilidade vem sendo costurado não só pela realidade, mas por lendas e fábulas, urbanas e rurais. Uma dessas anedotas diz que mulher (não só a “de malandro”) gosta de apanhar. Essa suposta “análise antropológica” era veiculada inclusive por penas e falas geniais, como a do dramaturgo e jornalista Nelson Rodrigues. E por más línguas. Bem más.

Afinal, mulher gosta mesmo de apanhar? Tamanho o baixo nível da pergunta, dá vontade de responder, de forma igualmente rasteira: só se for a sua mãe, babaca. Assunto encerrado, poderíamos passar a outro ponto, grave e resiliente: se não gosta, por que aceita continuar a ser espancada, a vítima?

São muitas as hipóteses, algumas constatáveis pela simples observação ao redor: vergonha, culpa, trauma, solidão, dependência econômica, desconfiança na Justiça, falta de preparo da polícia. E medo. Muito medo. Daí o silêncio. Nem é tão complexo entender. Vamos falar mais sobre isso.