Bichos Vai viajar? Não deixe seu animal de estimação sozinho em casa

Vai viajar? Não deixe seu animal de estimação sozinho em casa

Especialista alerta para os riscos de deixar cães e gatos sem amparo por muito tempo e aponta os cuidados que devem ser tomados em situações assim

Não pode deixar pet sozinho em casa quando for viajar

Vai viajar? Não é recomendável deixar pets sozinhos em casa; saiba o que fazer

Vai viajar? Não é recomendável deixar pets sozinhos em casa; saiba o que fazer

Pixabay

O que você faz com seus animais de estimação quando vai viajar, e eles não podem ir? Se costuma deixá-los sozinhos em casa, mesmo que por poucos dias, é melhor repensar e encontrar outra solução para ocasiões assim.

Segundo a Dra. Cristiane Pizzutto, presidente da Comissão de Bem-estar Animal do Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo (CRMV-SP), não é aconselhável deixar os pets sem companhia, a não ser que eles estejam rigorosamente acostumados a isso.

Veja também: Como agir em casos de maus-tratos contra animais

"Os riscos [de deixá-los sozinhos] são enormes. Geralmente, os animais são imprevisíveis, então as pessoas têm de tomar cuidado e estar atentas a questões como limpeza e com os móveis — nos quais os animais podem acabar subindo e sofrendo acidentes. Alguns animais são curiosos e estabanados, podem quebrar os utensílios e acabar se machucando. Piscinas também são um risco grande, pois os animais gostam de água, mas não sabem muito lidar com piscinas e podem acabar se afogando", afirma.

E mais: Especialista alerta para 10 mitos da caixa de areia de gato

A veterinária diz que não há um intervalo seguro para deixar os bichanos, pois isso é muito individual e varia de um para o outro, mas garante que não é bom que eles permaneçam longos períodos sozinhos. Além além de danos físicos, isso pode acarretar em problemas emocionais e comportamentais. "Alguns animais se sentem muito sozinhos e podem desenvolver ansiedade, o que acaba afetando diretamente no comportamento: podem desenvolver lambeduras excessivas, agressividade, entre outras mudanças e consequências".

O que fazer nesses casos?

Dra. Cristiane: "Como as pessoas têm que viajar ou, no dia a dia, têm de se ausentar por tempo longo, hoje são oferecidas alternativas. Hotéis já são comuns, mas os 'pet sitters' ('babás' de animais) estão ganhando cada vez mais espaço, pois no próprio ambiente o animal recebe todo cuidado e amparo na ausência do tutor. É uma tendência para quem não quer fazer esse deslocamento do animal".

Qual é a melhor opção?

Dra. Cristiane: "Não tem como dizer qual alternativa é a melhor, tudo depende do animal. Se é muito assustado e estranharia ambientes novos, o 'pet sitter' é mais indicado. Agora, se encaram e gostam da socialização, o Pet Hotel ou até o 'Day Care' (um tipo de 'creche' animal) são boas soluções. A personalidade e a individualidade de cada animal é o que deve pesar na hora da decisão. Eles só não podem ficar sozinhos por muito tempo, e sem cuidado. A saúde e a qualidade de vida de uma animal dependem de um bom manejo, que depende diretamente do cuidado do tutor."