Rafa Brites sobre maternidade: "Nunca estamos preparadas"

Repórter afirmou que, emocionalmente, se surpreendeu com a experiência

Rafa tenta aproveitar todo o tempo que tem com o filho
Rafa tenta aproveitar todo o tempo que tem com o filho Reprodução/Instagram

Dizem por aí que, quando um bebê nasce, nasce também uma mãe — e Rafa Brites comprova a teoria. A repórter conversou com o R7 e afirmou que só depois que deu à luz Rocco, seu primeiro filho com o jornalista Felipe Andreoli, que entendeu o verdadeiro sentido da maternidade.

— Por mais que a gente se prepare para a parte prática, como dar banho, trocar a fralda etc., a parte emocional é uma coisa que a gente nunca vai estar preparada, até ter um filho. E isso me surpreendeu muito. Porque é um amor tão repentino, uma responsabilidade tão grande, que só depois de algum tempo a gente aprende a entender esse forte sentimento.

"É muito difícil saber que outra pessoa está cuidando do meu filho"
Rafa Brites

Rafa aproveitou cada minuto de seus seis meses de licença maternidade, mas, há cerca de trinta dias, voltou ao trabalho. Agora, ela se esforça para lidar com o fato de não conseguir mais dedicar suas 24 horas diárias ao filhote, o que considera ser seu maior desafio.

— O mais complicado para mim, que ninguém tinha me falado que seria assim, é conseguir delegar as coisas do meu filho para outra pessoa. É muito difícil saber que tem outra pessoa cuidando dele, saber que não fui eu quem deu banho ou o "papazinho". Isso é uma coisa que eu preciso trabalhar, afinal, o filho não é só meu. Eu preciso criar ele para o mundo.

Com a agenda profissional lotada, o jeito é se "desdobrar". A repórter revela que tem tentado se adaptar aos horários do filho para, assim, aproveitar todos os minutos possíveis ao lado dele — e isso implica, também, em deixar os cuidados consigo de lado.

— Se eu tenho que sair de casa às 7h, eu coloco o despertador para as 5h30, que é a hora que ele acorda. Assim, eu consigo ficar mais junto. Eu tenho que me desdobrar, fazer o que posso. Minha unha, por exemplo, nunca mais foi feita. Quando eu tenho um tempinho sobrando, prefiro ir pra casa e encontrar com ele do que ir à manicure.

Apesar da vida atribulada, Rafa acredita que está cumprindo bem o papel de mãe e até pensa em dar um irmãozinho a Rocco.

 — Eu quero ter mais filhos, sim, só não sei quando. Mas me vejo com dois filhos. Acho que seria legal eu ter outro até quando o Rocco tiver uns quatro anos, mais ou menos. Vamos ver se da próxima vez vem uma menina, mas estou começando a achar que tenho cara de mãe de menino — brinca.